Entrevista: Privacidade nas redes sociais

 

Manter a privacidade?
Você está fazendo isso errado!

     O mundo das redes sociais é tão envolvente que, quando se dá conta, já se passaram horas enquanto você navegava por páginas alheias conferindo as últimas novidades, opiniões, fotos de acontecimentos e sabe muito mais da vida de outras pessoas do que elas podem imaginar. E os mais descuidados podem também estar sendo vítimas disso. Afinal, não se pode identificar quem xereteia sua página pessoal. Daí vem o alerta para as publicações. A vida de quem não controla a permissão de acesso e não seleciona os contatos no mundo virtual, pode se tornar um livro aberto – mesmo que este não seja seu desejo.

Excesso de publicação nas redes sociais.

Expor-se na internet pode trazer consequências à vida real

     Você já pode deve ter ouvido o conselho “ pense antes de falar “. Pois bem, ele também vale para a escrita. Principalmente quando for realizada na internet e com livre acesso para quem deseja acessar. 

    Muito do que escrevemos e pensamos é para um público restrito, mas pode sair do controle e ser impossível de voltar atrás. E não precisa ser um assunto muito sério. As consequências podem vir com uma publicação banal, comprometendo e até colocando em risco a vida de seus familiares.

     Por exemplo, descrever a rotina. Muitos usuários do site de relacionamentos facebook – atualmente em moda, após o Orkut- começam o dia com um “ Bom dia, faces !” ( colegas virtuais ) e seguem durante todo o tempo em que permanecem na internet descrevendo suas ações e intenções, como horários em que saem e chegam de casa para o trabalho, academia, escola e até programação das atividades para o final de semana, possibilitando que pessoas mal intencionadas saibam tim-tim por tim-tim.

     “A utilização de redes sociais é um canal importante de contatos, amizades, troca de informações úteis e demais facilidades. Entretanto, sua utilização inadequada e desregrada também facilita a prática de condutas indesejadas e ilícitas, que atingem os mais diversos direitos, causando prejuízo a de toda ordem”, disse o advogado e jurisconsulto Glauber Rodolfo Sanfins.



    INDISPENSÁVEL

     Para o profissional, manter a privacidade nas redes sociais não é apenas importante, é indispensável. “ Devido à altíssima velocidade com que trafegam dados pela internet, resguardar a privacidade no momento em que o usuário clica ‘publicar’ é imprescindível. Atende-se para o fato de que o usuário ao participar de redes sociais tais como Twiter, facebook, Orkut, entre outras, pode ser sua privacidade indevidamente exposta, pode ter seus arquivos e dados pessoais expostos, com graves consequências em sua vida cotidiana”, reforçou.

     A curiosidade também é responsável por parte deste perigo. “ A infeliz tendência de muitas pessoas em esmiuçar a vida alheia contribui para o sucesso impressionante das redes sociais. Desta forma o usuário deve ficar atento à que tipo de informação publicará a seu próprio respeito”, atentou o entrevistado.

 SEM CONTROLE

     Quando o próprio usuário publica conteúdos ou imagens pessoais em seu perfil, existe a possibilidade de removê-las do ar com sua própria senha, mas é difícil controlar quantas pessoas acessaram aquele conteúdo ou controlar sua disseminação pela rede. “De outro lado, quando terceiros mal intencionados publicam conteúdos inverídicos, que agridam a honra, a imagem,a boa fama, a intimidade e a vida privada de alguém, poderão ser responsabilizados tanto na esfera Cível indenizatória ou Criminal”, garante Sanfins, após consultar a Constituição , Código Civil  e outros livros da área.

     A internet não é uma terra sem lei; as regras de convivência pacífica em sociedade também são aplicáveis ao meio virtual”, frisou o advogado.

SELECIONE

     Dados do instituto de pesquisas Ibope NetRatings apontam o Brasil como o País mais sociável nas redes sociais; enquanto a média mundial é de 195 contatos por pessoa, com os brasileiros o número chega a 365. E muitas dessas amizades virtuais e, às vezes, a pessoa nem sabe de quem se trata. No momento, é necessário ter critério na seleção de amizades, que se utilizaria no dia-a-dia.

     “Desde tenra idade, ouvimos conselhos acerca das amizades. São similares aos do mundo virtual”, lembrou. Entre eles estão: só adicione quem você realmente conheça; restringir o acesso a suas informações pessoais (isso pode ser feito nas configurações); limitar as pessoas que possam postar informações em seu mural e remover publicações ofensivas e ilegais.

     Na aceitação de aplicativos, também valem os mesmos conselhos. O advogado ainda acrescenta que é importante ler atentamente as solicitações antes de aceitá-las. “ Estes aplicativos, ou até mesmos jogos, podem redirecionar você a outros sites e podem ‘roubar’ ou ter acesso a sua senha, a suas fotos, a seus dados pessoais, preferências pessoais e todas as informações que você postou na sua rede social”, explicou. E o mal pode ir além, já que muitos aplicativos que você participar utilizarão a sua rede de amigos para enviar propaganda indesejada.

     Então, todo cuidado é pouco porque você não sabe quem são as pessoas que terão acesso a essas informações pessoais.

SENHA

     Tão importante quanto a ter bom senso antes de publicar algo é ter cuidado com as senhas. A primeira lição é nunca revelar à ninguém. Também é recomendado a trocar regularmente e não reutilizar as cinco últimas senhas, que devem ser fortes, mesclando letras, números e símbolos. Devem ser sequências pessoais óbvias, como número de telefone, RG, CPF/CNPJ, datas de nascimento, de casamento, e comemorativas. Para facilitar a memorização, uma das dicas é criar associações com eventos aparentemente sem conexão. Não é recomendável anotar em papéis, arquivos ou celulares.

CONTATOS PROFISSIONAIS

     Pesquisa feita nos Estados Unidos, pela empresa Millennial Branding e pelo site Identifed.com, com base em perfis e questionários aplicados junto a integrantes da Geração Y, com idade entre 18 e 29 anos, mostra que poucos se preocupam com o fato de compartilhar fotos e detalhes íntimos de sua vida pessoal com os amigos. Em média, esses usuários tem cerca de 700 amigos no facebook e cerca de 15 são colegas de trabalho – e até chefes.

     O risco de cometer um deslize mais sério – um comentário menos comportado, por exemplo, é maior. E a internet não guarda segredos. Como a rede é pública, eles também têm acessos às postagens. A pesquisa mostra também 39% dos empregados monitoram as atividades dos seus funcionários. A recomendação final se resume a misturar a vida pessoal e profissional em redes sociais. O indicado é postar apenas informações superficiais, que não comprometam a pressão de forma alguma e que jamais poderão vir a ser utilizadas como fonte de pressão ou chantagem.


   LIMITES

     Aqueles que gostam de colocar lenha na fogueira e querem se manifestar sobre tudo e todos, precisam saber que toda a legislação pode Sr aplicada aos atos praticados. “ Não se trata de censura, mas apenas respeitar os limites do direito alheio. A vida em sociedade exige limites às vontades individuais, que são determinados pelas Leis e regras de convivência pacífica. Devemos refletir: Como seria o mundo se todos fizessem tudo aquilo que lhe viessem à mente?” , sugeriu o entrevistado.

     Veja no quadro desta postagem o que deve ser evitado. “As consequências seriam tanto na esfera Criminal respondendo processo de privação de liberdade quanto na esfera Cível indenizando os danos causados, através de seu advogado”, atentou Sanfins.

     Para quem quiser ser mais radical, simplesmente não participe de redes sociais. Os que quiserem manter, apenas devem pensar antes de publicar.

DICAS DO ADVOGADO

     Para proteger a privacidade e garantir mais segurança (sua e de sua família )

- Não coloque fotos ou imagens que exponha você , seus amigos ou sua família a situações vexatórias;

- Evite divulgar informações pessoais de onde esteve, produtos que comprou, onde viajou, se irá viajar, com quem esteve;

- Se você deseja se tornar menos rastreável, passe a usar seu primeiro nome ou um apelido. Evite assinar seu nome completo em comentários de blogs ou sites de compra online;

- Não publique números de documentos pessoais, e-mails, endereços de sua residência, números de telefones ou conta bancárias;

- Jamais divulgue ou forneça suas senhas à ninguém;

- Todo e qualquer conteúdo ou imagem que possa vir a prejudicar você ou sua família não deve ser publicado.

AO SE FAZER CRÍTICAS OU PUBLICAÇÕES DEVE SER EVITADO:

-  Imputar falsamente a alguém, fato considerado criminoso:

- Difamar alguém imputando-lhe fato ofensivo a sua reputação;

- Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade;

- Utilizar a imagem, voz ou nome e alheios sem autorização expressa;

- Utilizar opiniões ou publicações alheias sem citar a fonte.


     Entrevista concedida por Glauber Sanfins a Repórter Tatiana Petti do JORNAL DE ITATIBA, 18/março/2012.


      Glauber Sanfins é advogado e consultor jurídico em Itatiba/SP, especializado e experiente, atua nas áreas do Direito: Empresarial, Trabalhista, Cível, Website: www.sanfins.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário